PR3 MCQ – Trilho da Fóia (Monchique)
Percurso circular de 6,8 km que parte da Fóia, o ponto mais alto do Algarve, com vistas até ao mar. Bosques de sobreiros, medronheiros e a adelfeira marcam a flora única da serra de Monchique.
PR3 MCQ – Trilho da Fóia (Monchique)
Localização
Algarve, concelho de Monchique, freguesia de Monchique
Acessos (de Carro)
Pela EN 125, seguir pela EN 266 até Monchique. Seguir depois em direção à Fóia pela EN 266-3
Ponto de Partida
Tipo de Percurso
Circular
Localização
Algarve, concelho de Monchique, freguesia de Monchique
Acessos (de Carro)
Pela EN 125, seguir pela EN 266 até Monchique. Seguir depois em direção à Fóia pela EN 266-3
Ponto de Partida
Tipo de Percurso
Circular
Grau De Dificuldade
Algo difícil
Altitude Mínima
617 m (EN 266-3)
Altitude Máxima
892 m (ponto inicial)
Disponibilidade De Água
Sim
Mercearias Locais
Sim
Extensão
6,80 km
Duração
2 h (aprox.)
Subida Acumulada
1078 m
Descida Acumulada
315 m
Grau De Dificuldade
Algo difícil
Altitude Mínima
617 m (EN 266-3)
Altitude Máxima
892 m (ponto inicial)
Disponibilidade De Água
Sim
Mercearias Locais
Sim
Extensão
6,80 km
Duração
2 h (aprox.)
Subida Acumulada
1078 m
Descida Acumulada
315 m
Descrição do itinerário

O percurso tem início na Fóia, o ponto mais alto do Algarve (902m). Segue pela estrada asfaltada; depois, no cruzamento continua em frente e começará a descer em direção à EN 266. A descida é rodeada por paisagens de rosmaninho (Lavandula luisera), urzes (Erica spp), esteva (Cistus ladanifer) e a famosa adelfeira (Rhododendron ponticum subsp. baeticum), que é facilmente identificada na época de floração.

Aproveite a soberba vista: consegue ver até ao litoral do Algarve! O final da descida é feito por uma estrada de calçada. Siga com muito cuidado e cumprindo as normas de segurança enquanto caminha na EN 266, pois a circulação automóvel é constante. Aqui poderá fazer uma pausa para reabastecimento de forma a preparar-se para o regresso.

Depois o percurso vira à esquerda, deixando o asfalto, e a caminhada faz-se agora por caminho de terra batida. Desfrute da natureza verdejante e do ar puro. Vai passar por vários socalcos onde ainda se pratica o pastoreio. Depois, encontra-se com a GR13 – Via Algarviana quase até ao topo da Fóia. Em dias de céu limpo, aproveite para contemplar a vista sobre todo o Algarve e até parte do Alentejo.

O que pode ver?

Flora
A Serra de Monchique é um território mediterrânico com forte influência atlântica. O seu clima, particularmente na parte superior da serra, onde a precipitação anual é mais do dobro da que ocorre em boa parte do Algarve, explica as características especiais da flora, face à restante vegetação algarvia. Para a riqueza botânica da serra contribui também, além da abundância de chuva, a diversidade litológica.

De forma geral, os bosques autóctones de sobreiros e as florestas plantadas de pinheiro e eucalipto dominam a paisagem. Os eucaliptais são explorados sobretudo para produzir pasta de papel. O medronheiro cresce abundantemente entre os sobreiros e os pinheiros.

Perto do cume dos cerros podem ser encontradas espécies raras como a adelfeira (Rhododendron ponticum subsp. baeticum), a rosa-albardeira (Paeonia broteroi) e a orquídea Neotinea maculata, característica das zonas de bosque.

A Serra de Monchique, graças às características atlânticas, marca o limite sudoeste onde é possível encontrar algumas espécies de plantas. Na parte superior, mais influenciada pelo Atlântico, há por exemplo o tojo molar (Ulex minor subsp. lusitanicus) e a arenária (Arenaria montana L.).

Mas os motivos de interesse não se ficam por aqui: destaca-se a presença, no sub-bosque dos poucos soutos que restam, de Doronicum plantagineum que encontra, em Monchique, o limite a sul da sua distribuição em Portugal, e ainda Senecio lopezii, endemismo do sudoeste peninsular que, no nosso país, apenas aqui se pode encontrar.  E nas superfícies mais frescas há ainda alguns exemplares de Quercus canariensis, um carvalho que, em Portugal, só cresce de forma espontânea nestas paisagens serranas, e por isso é chamado vulgarmente de carvalho-de-Monchique.

Fóia
É o ponto mais alto do Algarve, com 902 m de altitude. A partir do miradouro, com uma vista privilegiada para sul, vêem-se os terrenos que se estendem até à linha de costa. Na paisagem destacam-se amontoados pedregosos, designados por caos de blocos, típicos de zonas onde predominam rochas maciças, como os sienitos, os granitos e afins.

No Algarve, a queda de neve é muito rara. A Fóia é o lugar mais provável para ocorrer esse fenómeno - diz-se que de sete em sete anos. A geada é mais frequente no lado norte, e todos os anos há suficientes dias de temperaturas baixas para permitir uma boa produção de maçã.

Socalcos
Nos socalcos das encostas, construídos para controlar a erosão provocada pela água da chuva nos terrenos inclinados, crescem laranjeiras, cerejeiras, pessegueiros e castanheiros. Estes terraços agrícolas são também zonas de pastoreio de cabras e vacas.

A adelfeira, espécie endémica (Rhododendron ponticum subsp. baeticum
Endemismo ibérico, isto é, uma espécie que só existe numa determinada região, neste caso a Península Ibérica. É talvez o mais notável sobrevivente da antiga floresta Laurissilva, que existia no território do continente e que foi praticamente destruída pelas glaciações do período Pleistocénico (era que se iniciou aproximadamente há 2 milhões de anos e terminou há cerca de 10 mil anos).

Hoje, a adelfeira cresce de forma espontânea em alguns pontos da serra de Monchique e da serra do Caramulo, em Portugal, e no Maciço do Aljibe, na Andaluzia espanhola. Dada a sua escassa distribuição geográfica, e o isolamento destas populações, a espécie encontra-se ameaçada.

Em Monchique, esta espécie encontra-se em solos com elevado teor de humidade, em ambiente subatlântico. No entanto, no limite inferior da sua distribuição encontram-se elementos mediterrânicos, que ocorrem, por vezes, também como resultado da degradação destes habitats.
A adelfeira contém alcalóides venenosos para o gado e, por isso, em Monchique, diz-se ser indicada como ingrediente principal para a confeção do “chá das sogras”. É tema de uma canção popular de Monchique.

Contactos Úteis
  • Câmara Municipal de Monchique: (+351) 282 910 200
  • Junta de Freguesia de Monchique: (+351) 282 912 871
  • Associação Almargem: (+351) 289 412 959
  • Centro de Saúde de Monchique: (+351) 282 910 100
  • Bombeiros Voluntários de Monchique: (+351) 282 910 000
  • Guarda Nacional Republicana – Monchique: (+351) 282 912 629
  • Posto de Turismo de Monchique: (+351) 282 911 189
  • Se detetar um incêndio ligue: 117
  • Em caso de emergência ligue: 112


Mais informação? 

Descarregue estes ficheiros.
E boa caminhada!

Folheto Informativo com Mapa
Track GPX PR 3 MCQ – TRILHO DA FÓIA
Track KML PR 3 MCQ – TRILHO DA FÓIA