Setor 7 - Salir a Alte - 16,40 km
Os pomares de sequeiro e os engenhos hidráulicos revelam modos de vida antigos. Fantástica vista da Rocha da Pena. Final refrescante do trilho na Ribeira de Alte.
Setor 7 - Salir a Alte - 16,40 km
Ponto de Partida
Grau De Dificuldade
III - Algo Difícil
Altitude Mínima
189 m
Altitude Máxima
330 m
Disponibilidade De Água
Sim
Extensão
16,40 km
Duração
5 h (aprox.)
Subida Acumulada
437 m
Descida Acumulada
499 m
Mercearias Locais
Sim
Ponto de Partida
Grau De Dificuldade
III - Algo Difícil
Altitude Mínima
189 m
Altitude Máxima
330 m
Disponibilidade De Água
Sim
Extensão
16,40 km
Duração
5 h (aprox.)
Subida Acumulada
437 m
Descida Acumulada
499 m
Mercearias Locais
Sim
Descrição do itinerário

O 7º setor da Via Algarviana começa em Salir, no eixo central da EN 124. As ruínas do castelo são o elemento histórico mais marcante desta povoação.

A partir daqui, vai seguir por caminhos muitas vezes ladeados por antigos muros de pedra, que ainda limitam hortas e propriedades rurais. O trilho atravessa alguns aglomerados habitacionais, como Almarginho, Cerro de Baixo e Cerro de Cima.

Esteja atento a algumas noras e outros engenhos hidráulicos, que testemunham a intensa atividade agrícola do passado.

A imponente Paisagem Protegida Local da Rocha da Pena está à vista do caminhante na primeira metade do percurso: é um elemento marcante da paisagem, com 479 m de altitude. Aí pode encontrar cerca de 535 espécies de flora e muitas outras de fauna. Este é também o local da famosa lenda do Gil da Pena: aceite o desafio de conseguir que um dos habitantes locais lhe conte esta história! 

O itinerário atravessa depois Benafim, uma povoação que mantém a traça tradicional nas casas e ruas estreitas. Aproveite para fazer uma pausa num dos cafés locais.

Daí, segue para Norte, passando por pomares de sequeiro, característicos do Barrocal Algarvio, e chega à Ribeira do Freixo, onde ruma a oeste. A paisagem ainda tem as marcas da atividade agrícola e do pastoreio, que no passado tiveram peso na economia local.

O setor termina acompanhando a frescura da Ribeira de Alte: aprecie o cantar dos muitos passeriformes que aí existem! Chegará assim às Fontes Grande e Pequena, uma zona muito agradável para descansar.

Mais adiante situa-se o centro de Alte, uma das aldeias mais típicas e bonitas da região. Aproveite para se embrenhar pelas pequenas ruas e visitar os comércios com produtos locais. 

 

O que pode ver?

» PATRIMÓNIO HISTÓRICO, ARQUEOLÓGICO E RELIGIOSO

BENAFIM

  • Igreja de Nossa Senhora da Glória.

ALTE

  • Igreja Matriz de Alte (Séc. XIII);
  • Capela de São Luís (Séc. XV);
  • Traça arquitetónica tradicional;
  • Fonte Grande e Fonte Pequena;
  • Pólo museológico Cândido Guerreiro e Condes de Alte.


» NATUREZA

Neste setor vai encontrar algumas espécies de orquídeas, tais como a Erva-abelha (Ophrys apifera); Erva-vespa (Ophrys lutea); Abelhão (Ophrys speculum) ou Flor-dos-macaquinhos-dependurados (Orchis italica). 

Se fizer a caminhada na Primavera, poderá ter ainda oportunidade de apreciar a beleza espetacular da Rosa-albardeira (Paeonia broteroi). 

A Paisagem Protegida Local da Rocha da Pena, que consegue avistar neste percurso, é um monumento geológico de extraordinária beleza, rico em grutas e escarpas, com 479 m de altitude. Aí poderá encontrar cerca de 535 espécies de flora, das quais algumas são endémicas e muitas outras são medicinais e aromáticas. Na fauna, destaque para espécies importantes como o Morcego-de-peluche (Miniopterus schreibersii), classificado como espécie “Vulnerável”, e o Morcego-rato-pequeno (Myotis blythi), classificado como “Criticamente em Perigo”. 

Os pomares de sequeiro marcam a paisagem, rodeados de valados, onde existem alfarrobeiras (Ceratonia siliqua), oliveiras (Olea europaea), amendoeiras (Prunus dulcis) e figueiras (Ficus carica). Outrora, eram o grande sustento da economia tradicional algarvia. Atualmente, muitos estão abandonados. 

Esta é também a zona de nidificação de espécies de aves migradoras como o Papa-figos (Oriolus oriolus), o Abelharuco (Merops apiaster) e o Picanço-barreteiro (Lanius senator) e de residência do Charneco (Cyanopica cyana). 

As Fontes Grande e Pequena, em Alte, são local de paragem obrigatória. A vegetação verdejante apela ao descanso. No verão, a piscina de água natural, que foi construída na década de 80, é o ex-líbris desta aldeia serrana. 

Não deixe de visitar a famosa Queda de Água do Vigário, de beleza surpreendente. É mais um local relaxante, ideal para descansar e, se as temperaturas o permitirem, dar um mergulho.
 

» LOCAIS DE APOIO E DESCANSO AO LONGO DO PERCURSO

  • Benafim

 

» MULTIBANCO

  • Salir
  • Benafim
  • Alte

 

Contactos Úteis
  • Associação Almargem: (+351) 289 412 959
  • Associação In Loco: (+351) 289 840 860
  • Associação Turismo do Algarve: (+351) 289 800 403
  • Bombeiros Municipais de Loulé: (+351) 289 400 560
  • Câmara Municipal de Loulé: (+351) 289 400 600
  • Centro de Saúde de Alte: (+351) 289 478 174
  • Centro de Saúde de Salir: (+351) 289 489 516
  • GNR de Loulé: (+351) 289 410 490
  • GNR de Salir: (+351) 289 489 136
  • Junta de Freguesia de Alte: (+351) 289 478 200
  • Junta de Freguesia de Salir: (+351) 289 489 119
  • Posto de Turismo Municipal de Alte: (+351) 289 478 060
  • Posto de Turismo de Salir - Loja “A Espiga” (artesanato): (+351) 289 489 733
  • Em caso de emergência ligue: 112
  • Se detetar um incêndio ligue 117

 

Mais informação?

Descarregue estes ficheiros.
E boa caminhada!

Track GPX: Setor 7 - Salir a Alte
Track KML: Setor 7 - Salir a Alte